Odisseia do Escritor

Fórum para postarmos os nossos contos!
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")

Ir em baixo 
AutorMensagem
schildtpsico



Mensagens : 5
Pontos : 14471
Data de inscrição : 05/10/2014

MensagemAssunto: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Sab Nov 01, 2014 7:32 am

Ela estava com sono e muito cansada, mas não conseguia dormir. Já passavam das três horas do horário de descanso instituído pela Colônia, apenas quatro horas até ter de levantar-se novamente. Mas a ideia só a punha a cogitar sobre o dia que viria, não a ajudando a conciliar o sono. Talvez fosse a claridade artificial, perpetuamente mantida na Colônia, como uma maneira de pô-los a salvo do Mal que rondava lá fora. Seres sinistros e selvagens, que não hesitariam um milésimo de segundo em atacá-los e terminar com a ordem e a paz tão arduamente construída pelos primeiros Conselheiros.
Eram cinco, e foram os últimos andarilhos do tempo que se fora, último elo com o passado remoto e longínquo, do qual apenas alguns poucos ainda tinham acesso, por fragmentos de história que sobreviveram ao advento do escuro. Nas lendas, contava-se às crianças que, há muitas eras, o mundo não estava sempre escuro. Os humanos não precisavam se esconder por detrás de altas muralhas para poder sobreviver. Todos andavam livremente por aí, e o tempo não era marcado pelos toques das trombetas. As pessoas sabiam a hora de acordar, pois existia algo chamado Sol. E o tempo era dividido entre manhãs e noites. E o céu, este era azul de manhã, e de noite tinha luzes brilhantes, que os antigos chamavam de estrelas.
Agora, ao olhar para fora, tudo o que podiam divisar era o breu. Às vezes mais claro, às vezes mais escuro, mas sempre indiscernível. Havia os que afirmavam que o sol ainda existia, apenas que, através da espessa camada de nuvens e gases tóxicos, não era possível vê-lo, mas ela não acreditava nisso. Eram nada mais que histórias para fazer as criancinhas dormirem.
Crianças. Às vezes ela acreditava que era esse o motivo dela conseguir dormir tão pouco, mesmo depois de um dia exaustivo de trabalho. Na Colônia, a divisão dos trabalhos era muito fácil de entender, até porque não havia muitas opções: se você fosse homem poderia ser do Conselho, um cargo reservado aos mais velhos da Colônia. Eram homens também os lanceiros que guardavam as muralhas, os vigias, que mantinham a paz entre os moradores da colônia, os construtores e mecânicos que cuidavam da manutenção do espaço e das “bugigangas” que vinham do mundo lá fora, e que ela nunca entendera.
E havia os caçadores. A missão mais temida. Sair pelos portões afora, em busca de provisões para a sua coletividade, já que a minguada terra que tentavam cultivar não produzia alimento o suficiente para todas as famílias – mesmo a prole tendo sido alvo de redução gradativa desde o início da última Era, passando de dois para um filho por casal. Já estavam na quarta Era desde a construção da muralha, perfazendo 1876 anos desde a construção da Colônia.
Às mulheres, restava a confecção de roupas, a higienização e o cuidado com a prole, geralmente a sua própria. Sim, naquele tempo, ser mãe, dar a vida, era algo muito importante. Há muito tempo, diziam que também existiram mulheres que se intitulavam “professoras”, mas a grande maioria da Colônia aprovou por decreto que ler era uma tarefa dispensável naqueles dias, sendo esta função gradativamente extinguida.
Mas ela não aceitara nenhuma das posições – e não pudera uma em particular: ela não conseguia ser mãe. Foram várias e várias tentativas infrutíferas com seu marido, escolhido para ela pelo Conselho por ser um homem forte da construção, que teria pulso firme – não que ela acreditasse que precisasse, mas acabara recebendo isso em troca de duas ou três intromissões em deliberações do Conselho – e a conduziria com força, mas também docilidade no lar.
Algumas das suas crianças nem vieram ao mundo; outras vieram, mas disformes e sem o tamanho certo para sobreviverem, o que até não era assim tão incomum. Eram tempos difíceis e sombrios, o ar, a terra e a água estavam contaminados, já não se sabia bem pelo que, e cada nascimento era uma dádiva – mas que deveria ser controlada, já que não havia comida o suficiente para tantas dádivas juntas.
Até que sua menininha nasceu. E ela era tão linda! Olhos de um castanho profundo, que a fitavam cheios de doçura, fazendo-a esquecer-se de algumas das reivindicações que pretendia fazer junto ao Conselho. Ela era mãe! E se sentia plena. Nada mais importava que cuidar de sua filha e fazê-la feliz. Foram dias abençoados. Mas sua alegria durou pouco. Havia algo de errado com seu anjinho, que chorava todo tempo, sem parar, sem que ninguém soubesse dizer o que seria. Azar, talvez. Já não tinham conhecimento científico para determinar de que mal o bebê padecia, nem acreditavam mais em um Deus que velasse por suas almas. E assim seu anjinho morreu. E, depois dela, nenhuma dádiva veio a ocupar novamente seu útero. Até que ela e o marido desistiram de tentar, e passaram a apenas coabitar a mesma casa.
Ela queria muito ser útil à Colônia. Mas cuidar de crianças, quando ela não podia ter as suas, lhe era um tormento. Também não se via remendando roupas ou fazendo qualquer outra atividade tipicamente feminina. Porque lá haveria mulheres. E muitas delas seriam mães. E ela não suportaria ficar entre elas, um segundo que fosse, sem sentir-se um pária. Foi então que ela expôs ao Conselho sua decisão. Afinal, todos na colônia deveriam trabalhar em algo – era a lei. E por mais que ninguém mais soubesse ler o que estava escrito nos primeiros livros da Colônia – nem mesmo os Conselheiros – todos assumiam isto como verdade absoluta e inquestionável. E ela decidiu que seria uma caçadora − a primeira – e, pelo que sabia, não havia nada nas leis que a impedisse. E, como ninguém mais sabia ler para encontrar palavras para contradizê-la, mesmo que a contragosto, o Conselho acabou por acatar sua decisão. Seria uma caçadora.
Até porque isso não lhes parecia um inconveniente assim tão grande. Ora, todos sabiam que a vida dos caçadores era curta; cedo ou tarde, alguma das feras que habitava o mundo exterior acabaria por dar cabo desta que tentava desafiar as ordens instituídas. A maioria dos caçadores vivia o quê? Quatro, no máximo, cinco anos em serviço. Isso se ela de fato aguentasse continuar após sua primeira missão e não implorasse para ser imediatamente transferida. O mundo lá fora apresentava perigos inenarráveis, e somente os caçadores sabiam, de fato, o que encontravam quando saíam. Nenhum Conselheiro havia sequer espiado por sobre a muralha – até porque, se assim não fosse, eles não teriam vivido o suficiente para se tornarem Conselheiros. Não, não era qualquer um que conseguia chegar aos trinta e cinco anos de idade naqueles tempos sombrios.
Já ela, na primeira vez em que saiu da Colônia, soube que tinha feito a escolha certa: a visão do mundo lá fora era terrível; o caos imperava para todo lado que virasse, a vegetação estava quase morta e a caça parecia tão desesperada e faminta, que as vezes se sentiam mais caçados do que caçando. Mas ela aprendeu que correr pela própria vida, lutar e abater a caça que alimentaria sua Colônia, sua família, era uma das poucas coisas que ainda a fazia se sentir viva. Era a adrenalina que ainda existia, embora não houvesse ninguém mais que soubesse o que isso era.
Logo, ela começou a ansiar por cada missão, a oferecer-se como voluntária quando não era requisitada, tornando-se uma das caçadoras mais sangrentas. E, ao contrário de alguns que desistiam da tarefa, não se sentia mal. Eles só os abatiam, não precisavam lidar com a retirada de pele e vísceras, o que para ela seria uma tarefa medonha. E servir à Colônia era seu dever. Sem as esparsas presas que conseguiam abater, na maior parte das vezes já com muito mais pele e ossos do que carne, todos eles já teriam perecido pela fome há muito tempo.
Era assim que ela se sentia, até àquela manhã, que começou sendo como qualquer outra. Ela e mais sete de seus companheiros homens, que aprenderam a respeitá-la por sua bravura e sangue frio, vestiram o traje para poder sair lá fora. Era necessária uma roupa especial, já que o ar acabava sendo muito mais venenoso que o da Colônia, que possuía um sistema de exaustores – o que não impedia que a maioria tossisse até vomitar os pulmões e morresse antes dos quarenta – e a maioria das carcaças de velhas coisas de metal das Eras passadas parecia estar de alguma forma contaminada.
As últimas três caçadas haviam sido frustrantes: após caminharem horas e horas atrás de rastros do que parecia ser um pequeno bando, haviam perdido o rumo e voltado à Colônia de mãos abanando, sendo ela motivo de chacota para alguns de seus companheiros. Apesar do respeito que conquistara, homens seriam sempre homens. Ou seja, teria que conviver constantemente com a presença daqueles que, não importava o que ela fizesse, sempre dariam um jeito de lembrar-lhe que era uma mulher, e que seu lugar não era ali. Assim, ela se sentia enganada por aqueles vermes nojentos que já deveriam ter virado almoço e saiu decidida a não voltar sem um bom pedaço de carne desta vez.
Indo para o último local em que os rastros haviam aparecido, mais uma vez puderam notar que algo tinha passado por ali. Pelas marcas, eram cerca de quatro, provavelmente um macho, uma fêmea e sua prole, e desta vez seus instintos lhe diziam que eles não poderiam estar muito longe. Caminharam a manhã toda, sempre sentindo como se sua presa estivesse dois passos à sua frente, embrenhando-se mais e mais para dentro daquelas antigas construções gigantescas, onde se dizia que os primeiros caçadores ainda encontraram comida e restos intactos de seus antepassados. Mas agora, cada centímetro das construções já fora varrido em busca de sortimentos, sem que nada fosse encontrado, só restando a caça como última alternativa à sobrevivência.
Quando já estavam quase ficando sem tempo, tendo de retornar mais uma vez à Colônia sem lograr êxito, ela finalmente os avistou. Eram quatro, como supunha, e não tinham notado a aproximação dos caçadores até que fosse tarde demais. Os dois mais velhos e o mais jovem maior foram abatidos imediatamente, antes mesmo que pudessem entender o que lhes havia acontecido. Mas o menor conseguiu escapar, correndo guinchando por entre os escombros. Toda a sua equipe estava feliz, contemplando a caça, mas ela não desistiria de sua presa tão fácil, não depois de a terem feito de boba todos esses dias. Mesmo sabendo do perigo, saiu correndo sozinha atrás da presa menor, disposta a caçá-la até o fim do mundo se fosse necessário. Ouvia, às suas costas, seus companheiros instando-a a voltar e deixá-la para outro dia, outra caçada.
Não saberia dizer se fora sua obstinação, a pouca idade da presa, ou sua sorte, mas conseguiu encurralar o filhote menor um pouco adiante de onde saíra. Era realmente pequeno, já que, ao contrário de outros que já caçara, não tentou atacá-la, apenas encolheu-se contra a parede, como a adivinhar seu fúnebre futuro. Mas foi no instante em que ela a mirou, no ápice de segundo em que apertava o gatilho e a bala voava do cano de sua arma, no instante sem volta, que a caça abriu os olhos e volveu-os para cima, olhando diretamente nos seus.
Podia estar magra, suja e com um odor repugnante, mas no instante em que aqueles olhos castanhos profundos a fitaram, ela já não podia ver a caça, ou lançar mão de suas considerações mesquinhas sobre as necessidades da Colônia. Naquele momento, ela só via uma menininha, de olhos tão intensos quanto os tinha a sua, fitando-a sem esperança e deixando uma lágrima cair antes de pender o corpo para trás devido à bala que a atingiu na testa, entre os olhos que agora a fitavam sem vida.
Voltou a seus colegas e, pela primeira vez, mentiu: a caça havia escapado (menina, menina, era só uma menininha com medo, só uma menininha) e, felizmente, os colegas confundiram seu ar taciturno com irritação por ter falhado em sua busca. E agora, em casa, ela não conseguia dormir pensando no que fez. Perguntava-se quando será que eles haviam se tornado esse tipo de monstro, que caça outros seres humanos como se fossem animais. Ela não sabia. Só sabia de uma coisa: ela não poderia mais fazer isso. Pior, ela não poderia viver com isso.
A este pensamento, levantou da cama que compartilhava há cinco anos com o marido, desde os seus doze anos, caminhou até a sala e pegou sua arma de caçadora, ficando a fita-la por um longo tempo. Caminhou até a única poltrona de que dispunham, sentou, e apontou a arma que, algumas horas atrás, ajudara a dizimar uma família, para sua têmpora. No último instante, naquele em que já se puxou o gatilho o suficiente para que não se possa voltar atrás, lembrou-se do olhar da menina a encarando. Morreu com este olhar como sua derradeira lembrança.
Como ela não morrera de nenhuma doença, sua carne seria reaproveitada pela Colônia, o que era considerado uma grande honra. E, como a primeira caçadora desde o início das primeiras Eras não sabia escrever – até porque, mesmo que soubesse, já não havia ninguém que compreendesse – ninguém soube o que de fato a matou, na sala da pequena casa que compartilhava com o marido: Culpa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 15637
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Seg Nov 03, 2014 6:08 am

Primeiro, Seja Bem Vinda!

Eu serei sincera contigo, esse não é muito meu tipo preferido de história, e no começo nem tava dando muito por ela não. rsrs


Mas todo mês eu me apego muito a algum fator, e esse mês certamente será o suicídio.
Então vamos a cena em questão:
Eu gostei da maneira com a qual é narrada a cena, sobretudo como você finaliza a questão da culpa. O fez de uma maneira que a culpa tornou-se um sentimento perceptível, embora ainda não sentível por mim.
E a ausência da carta de suicídio, e a não leitura que a explica... Eu adorei isso!

Parabéns, e até o mês que vem.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Elton Jt

avatar

Mensagens : 14
Pontos : 14608
Data de inscrição : 23/09/2014
Idade : 28
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Seg Nov 03, 2014 7:30 am

Bem vinda, na minha opinião você já chegou mandando bem, gostei muito, logo no começo você prendeu minha atenção com um mundo sempre em trevas e seres sinistros. Muita coisa na estória não tem lógica, mas prefiro mil vezes um texto interessante e sem lógica do que um plausível chato. Depois que decide tornar-se caçadora, ela passa a impressão de ter superado a morte da filha e de ser uma mulher forte o suficiente para sobreviver naquele lugar, mas o texto mostra uma realidade tão sombria que fica difícil querer viver nela.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ademar Ribeiro

avatar

Mensagens : 181
Pontos : 15707
Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 36
Localização : SBC - SP

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Seg Nov 03, 2014 4:20 pm

Sheila, bem vinda!

Começamos com subgênero e tema bem abordados em seu texto. Gosto desta premissa distópica, foge do usual, apesar deste cenário se tornar cada vez mais cliché nos best sellers americanos. Encontrei alguns erros de pontuação e grafias.

Sua narrativa é boa e bem corrida, eu gosto, pois nos prende ao texto, não senti nada que me desanimasse durante o conto. Mas acredito que um melhor detalhamento nos cenários, personagens e um enfoque maior na causa de sua protagonista traria mais vida ao seu conto. Faltou a essência do que e porquê, uma essência realmente plausível para seu suicídio.

Esse lance dos colonos se alimentar se sua carcaça foi foda, adorei.

Bom, é isso. Parabéns pelo conto, espero sua replica e seus comentários nos demais textos. assim vamos todos evoluir juntos. Até mais!

_________________
Espero que leia os outros textos e deixe sua impressão. Te espero mês que vem. Sem mais!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
schildtpsico



Mensagens : 5
Pontos : 14471
Data de inscrição : 05/10/2014

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Ter Nov 04, 2014 4:14 pm

Não sei mexer direito nas ferramentas do forum ainda, então por favor relevem a falta de jeito Smile

Oi Tammy! Obrigada pelo comentário. Talvez eu tenha que colocar um pouco mais de intensidade na cena final para acentuar a culpa.

Obrigada Elton Jt! Na verdade, o conto é uma metáfora, uma crítica velada a formas de consumo e de vidas atuais, em que as pessoas preferem viver em negação e "não ver" algumas coisas ou as ver de forma distorcida ... por exemplo, os excluídos invisíveis de nossa sociedade, ou as inúmeras racionalizações que todo ser humano cria para explicar seu comportamento (se todos jogam lixo no chão, eu também posso, etc) claro que explorados de uma forma extrema - seres humanos, fora da colônia, são considerados caças e tratados como tal, para que as pessoas não tenham que se confrontar com o horror do canibalismo.
Ademar Ribeiro ... poderia explorar melhor a questão da plausibilidade? Afinal, é no olhar nos olhos da "caça" e enxergar neles o castanho da única filha que teve nos braços - e que, com sua morte, a faz precipitar-se para a tarefa mais perigosa da colônia, talvez já aí uma busca pela morte de maneira inconsciente? - que ela reencontra a humanidade no ser do qual se alimentava, humanidade negada ao tratá-los como animais, e que a faz horrorizar-se com o que fazia. Ao reencontrar, pelo olhar, na caça a filha perdida, desfaz-se a ilusão alimentada pelos Anciãos, e viver torna-se intolerável. Talvez explorar melhor este parágrafo? (ah, e quanto ao português e pontuação ... sou péssima. Me corrijam sem dó)

Obrigada pelos feedbacks! abraços
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
zizgz



Mensagens : 41
Pontos : 14805
Data de inscrição : 07/09/2014
Localização : Porto, Portugal

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Qua Nov 05, 2014 11:15 am

Uma história trágica, num mundo cruel (e machista). Gostei da consciência da personagem principal, que a distingue dos outros, pouco humanos. É pena ser essa humanidade que a leva ao suicídio. Nestas histórias de suicídio, muitas vezes o suicida se destaca por algo que tem de especial. Você transmitiu isso. Penso que está bem contado, mas talvez alguns detalhes estejam "a mais", talvez.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ademar Ribeiro

avatar

Mensagens : 181
Pontos : 15707
Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 36
Localização : SBC - SP

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Qui Nov 06, 2014 7:32 pm

schildtpsico escreveu:
Não sei mexer direito nas ferramentas do forum ainda, então por favor relevem a falta de jeito Smile

Oi Tammy! Obrigada pelo comentário. Talvez eu tenha que colocar um pouco mais de intensidade na cena final para acentuar a culpa.

Obrigada Elton Jt! Na verdade, o conto é uma metáfora, uma crítica velada a formas de consumo e de vidas atuais, em que as pessoas preferem viver em negação e "não ver" algumas coisas ou as ver de forma distorcida ... por exemplo, os excluídos invisíveis de nossa sociedade, ou as inúmeras racionalizações que todo ser humano cria para explicar seu comportamento (se todos jogam lixo no chão, eu também posso, etc) claro que explorados de uma forma extrema - seres humanos, fora da colônia, são considerados caças e tratados como tal, para que as pessoas não tenham que se confrontar com o horror do canibalismo.
Ademar Ribeiro ... poderia explorar melhor a questão da plausibilidade? Afinal, é no olhar nos olhos da "caça" e enxergar neles o castanho da única filha que teve nos braços - e que, com sua morte, a faz precipitar-se para a tarefa mais perigosa da colônia, talvez já aí uma busca pela morte de maneira inconsciente? - que ela reencontra a humanidade no ser do qual se alimentava, humanidade negada ao tratá-los como animais, e que a faz horrorizar-se com o que fazia. Ao reencontrar, pelo olhar, na caça a filha perdida, desfaz-se a ilusão alimentada pelos Anciãos, e viver torna-se intolerável. Talvez explorar melhor este parágrafo? (ah, e quanto ao português e pontuação ... sou péssima. Me corrijam sem dó)

Obrigada pelos feedbacks! abraços
Oi Sheila, sei o quanto é inimaginável ver cenas que tua personagem presenciou, isso sendo nós aqui no mundo real. Mas para eles estas cenas se transformaram em cotidiano, essa carnificina se tornou normal dentro desta sociedade. Por isso uma morte de uma criança não deveria ser um motivo tão forte, penso eu.

_________________
Espero que leia os outros textos e deixe sua impressão. Te espero mês que vem. Sem mais!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Queirós

avatar

Mensagens : 65
Pontos : 15577
Data de inscrição : 23/06/2014

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Qua Nov 19, 2014 9:16 am

Sheila,
Uma vez, enquanto sentávamos no pátio da república e observávamos a lua vermelha (que concebe a capa de seu livro) no céu rosinha de nossa cidade, eu expus a você minha vontade de conhecê-la melhor; seus contos, na verdade. Depois disso, nunca mais nos falamos. Porém, cá estou, diante da Contadora de Histórias e de um suntuoso conto de sua autoria: A Colônia.

Sou um grande apreciador da temática usada por você aqui. Levarei em conta apenas a história em sua literalidade, esquecendo-me que é uma metáfora, uma crítica, como você disse logo acima.

"A Colônia" me lembra muito de certas experiências vivenciadas em histórias igualmente fantásticas, compreendidas em filmes, livros e jogos, como por exemplo "Fallout", "Eu sou a lenda", "A estrada", "Metro 2033", "Borderlands" e até mesmo curtas no youtube. Achei excelente que você se refira a sua protagonista sempre por "ela", tirando dela uma identidade simbólica específica. A forma como você introduz seus elementos é muito prazerosa e divertida, cito aqui a parte em que "ela" decide se tornar uma caçadora. Os conselheiros nada podiam apresentar que contrariasse essa determinação, porque ninguém mais sabia ler, ora! Você conta isso de um jeito especial, que fica muito bem na narrativa.

Uma coisa muito séria me preocupa: é o IDH da colônia. Percebe-se manifestamente que há um analfabetismo enraizado, que a expectativa de vida é ridiculamente baixa - reza os conselheiros que 35 é santo, por mais que poucos afortunados cheguem aos 40.  A salubridade, com essa longevidade, me parece gravemente comprometida.

Enfim, embora o conto me seja familiar – mesmo o fato das preias humanas e do reaproveitamento da carcaça da jovem suicida – achei-o surpreendentemente bem narrado por você, com elementos bastante específicos de uma excelente contadora de histórias. Com poucas linhas você falou muito, e falou grande. Sobre o seu mundo (cenário) pós-apocalíptico: ou é mérito seu por descrevê-lo tão enfaticamente, ou é mérito nosso, porque eu realmente vivenciei as ruínas, os compartimentos enferrujados e empoeirados, a munição escassa e as armas surradas; estilo Fallout.

Grande história, forte abraço!      I love you
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Rogério Silva

avatar

Mensagens : 92
Pontos : 15486
Data de inscrição : 06/07/2014
Idade : 50
Localização : Rio de Janeiro

Ficha do Autor
Competência:
Contos Vencedores:
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Qua Nov 26, 2014 10:23 am

Sheila

Posso dizer que li seu conto a fundo! Wink

_________________
Eu tentei ficar calmo e chamar o Batman, mas não achei as Páginas Amarelas de Gotham City... Rolling Eyes Rolling Eyes Sad Sad
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://friccaocarioca.blogspot.com.br/
Vinícius Tadeu



Mensagens : 52
Pontos : 14772
Data de inscrição : 11/09/2014

Ficha do Autor
Competência:
Contos Vencedores:
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   Sex Dez 05, 2014 5:45 pm

Seja bem-vinda!
O texto prende a atenção e isso é muito importante.
Parabéns!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A Colônia (conto que comporá o livro "Sangue na lua")
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» O Livro de Kraus - Capitulo I
» Pequeno Livro de Regras
» "O Uso das Cores" - Livro sobre teoria das cores.
» VW Fusca - A História - Um ícone da Industria
» Propagandas

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Odisseia do Escritor :: Contos :: Poste aqui seus contos do mês de Novembro/2014-
Ir para: