Odisseia do Escritor

Fórum para postarmos os nossos contos!
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Sufoco natalício

Ir em baixo 
AutorMensagem
zizgz



Mensagens : 41
Pontos : 15605
Data de inscrição : 07/09/2014
Localização : Porto, Portugal

MensagemAssunto: Sufoco natalício   Qui Dez 18, 2014 11:24 am

0:50, 23/12/2014

Porra! Outra vez este pesadelo. É Natal. A Gisela corre atrás de mim à volta da árvore, que brilha e pisca-pisca as luzinhas, como que rindo da cena. Eu rio também, e fujo aos saltinhos. A Gisela agarra-me. Deita-se sobre mim, toda gorda, a rir e a salivar. Com o peso começa a sufocar-me, mas não se apercebe. Ela apenas ri, e põe todo o corpo sobre mim. Eu asfixio, arfo. A custo, consigo chegar com as mãos ao fio das luzinhas de Natal e puxo-o. A árvore cai por cima dela. Ela continua por cima de mim. Eu, esticando os braços, puxo o fio e, na confusão e atrapalhado, ponho-o em volta do pescoço dela. Estou quase a asfixiar, a Gisela ri, mas agarro no fio e puxo-o novamente. A Gisela começa a tremer, e eu puxo mais o fio; e, acaba - sufocando, a Gisela morre esganada. Eu fico ali, com ela morta por cima de mim, e ainda arfando, acordo.

A Gisela era a nossa empregada. Tratava-me bem. Eu ia com ela às compras e recados e ela dava-me sempre rebuçados. Punha um rebuçado no meio dos lábios e dizia “Agora vem buscá-lo”. Eu ia com a boca e tirava-o, e ela dava-me um beijo. Tínhamos as nossas brincadeiras. Ela tinha mamãs grandes e, à tarde, quando estávamos só nós em casa, sentava-se no sofá e chamava-me. Eu chegava-me a ela e ela puxava-me. Eu encostava a boca ao peito dela e ela acariciava-me o pau. Ficávamos assim um bocado e depois dizia “Seu maroto, vai estudar, eu tenho de ir trabalhar” e a festa acabava por ali. Durante a tarde, ia às vezes um amigo dela lá a casa. Ela mandava-me para o quarto e ficava com ele na sala. Eu ficava a espreitar pelo buraco da fechadura, e via o tipo a baloiçar para trás e para a frente enquanto ela gemia. Um dia a minha mãe chegou mais cedo e apanhou-os. Foi despedida e nunca mais a vi. Foi substituída por uma velha mal disposta que não me ligava nenhum.
…...................

10:00, 24/12/2014

Fui ao supermercado comprar umas coisas para o jantar de Natal. Já passo o Natal há anos sozinho e não me incomoda. Faço um jantar um pouco diferente e bebo vinho. Só isso. Na fila do supermercado uma garota virou-se para mim: “Você não compra muita coisa para um jantar de Natal!”, “É, passo sozinho.”, “Sozinho, que tristeza, onde é que você mora?” “Na Av. dos Combatentes”, “Sabe, eu moro perto, e passo o Natal com uma amiga. Podemos passar em sua casa hoje e divertimo-nos um pouco juntos”. “Porque não? Escreva aí o endereço”.

23:00, 24/12/2014

Já não esperava. Mas elas sempre vieram. Chegaram sorridentes. Trouxeram chocolates. A amiga da rapariga era gorda e tinha grandes mamas. Eu fiquei logo siderado com aquele decote apetitoso. Sentamo-nos na mesa e a rapariga do supermercado fez a conversa. Era cabeleireira e pôs-se a falar das manias das clientes: fulana gosta de trancinhas porque quer parecer jovem; sicrana um dia apareceu com piolhos e fez um escândalo quando lhe disse; uma aparecia todos os dias para experimentar penteados diferentes; outra perguntou-lhe uma vez se podia ir lá a casa cortar-lhe o cabelo, porque ela, a do supermercado e cabeleireira, era muito atraente e a outra queria lambê-la toda enquanto manejava a tesoura... Eu ia ouvindo, mas estava apanhado pelas mamas da outra e, por baixo da mesa, pus-lhe a mão nas coxas. Ela riu, só ria. Enquanto a acariciava e a sentia molhadinha, sussurrei-lhe ao ouvido se não queria ir para o meu quarto. Fomos e deixamos a do supermercado a ver televisão. Saltei-lhe logo em cima e fodi-a bem. A certa altura ela salta para cima de mim e eu sinto aquele peso todo em cima. Ela começa a saltar sobre mim e a esfregar-se toda, de pernas abertas em cima da minha cara. Eu começo a sufocar e a bracejar. Estico o braço e arranco o fio do candeeiro ao lado e ponho-o em volta do pescoço dela. Enquanto quase sufoco, estico o fio, estico mais e ela cai esganada.

24:30 25/12/2014
Volto à sala. Viro-me para a rapariga e digo: “Fiz merda, sua amiga está morta no quarto. É melhor chamar a polícia.” Ela olha para mim muito séria e diz: “Cara, você matou a porca da Célia?” “É. Nem sei como.” “Deixe isso para lá. Despache o corpo. Eu também não a curtia. Encha o copo de vinho e relaxe.” Deu-me um beijo na face e saiu. Ainda disse: “Jogue o corpo fora e não pense mais nisso. A vida são dois dias e só nos resta um. Adeusinho e bom Natal.”


Última edição por zizgz em Ter Dez 23, 2014 8:36 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ademar Ribeiro

avatar

Mensagens : 181
Pontos : 16507
Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 36
Localização : SBC - SP

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Ter Dez 23, 2014 7:39 am

Caraca, tu é sempre o mais rápido no gatilho.

Sem meias palavras, sem introdução tu segue num ritmo alucinante, do meio ao fim em minutos. Isso não descredencia seu texto, muito pelo contrário, o torna mais dinâmico e agradável. Mas vejamos por pontos seu texto. Por que optou pelas aspas ao invés do travessão para os diálogos? Estou confuso quanto ao subgênero e tema. Tu pode me elucidar? Gostei da ideia, parabéns. Ah, tu esqueceu de compartilhar no grupo.

Feliz Natal e um próspero ano novo!

_________________
Espero que leia os outros textos e deixe sua impressão. Te espero mês que vem. Sem mais!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
zizgz



Mensagens : 41
Pontos : 15605
Data de inscrição : 07/09/2014
Localização : Porto, Portugal

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Ter Dez 23, 2014 8:35 am

Obrigado pelo comentário, Ademar.
Quanto ao tema e género, é uma espécie de aventura de uma noite de Natal, e um pouco macabro, pois ele a mata.
Quanto às aspas, penso que se pode usar para os diálogos. Como eles estão no meio do texto e não em parágrafos separados, para ser mais corrido, achei que fica melhor com aspas do que com travessão.
Bom Natal e bom ano novo!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Edwin Junque



Mensagens : 5
Pontos : 14485
Data de inscrição : 23/12/2014

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Qua Dez 24, 2014 6:13 am

Uma narrativa direta. Lembra os contos de Nelson Rodrigues .Aventura com a macabra morte da moça durante o sexo e mais macabro ainda a reação após morte, de tomarem um vinho. Gostei.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
talysmcidreira



Mensagens : 18
Pontos : 14992
Data de inscrição : 04/11/2014

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Seg Dez 29, 2014 2:13 pm

Olá,
Gostei da maneira que você iniciou a narrativa, isso prende a atenção do leitor. Os personagens mesmo vagos são marcantes. O texto é simples e direto , tornando a leitura dinâmica e ágil.
Parabéns!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Vinícius Tadeu



Mensagens : 52
Pontos : 15572
Data de inscrição : 11/09/2014

Ficha do Autor
Competência:
Contos Vencedores:
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Ter Jan 06, 2015 7:18 pm

Texto curto, podia ter explorado mais o enredo, e grosso (para um texto de época - Natal). Já começa com "porra". Considere-me um leitor beta, masculino, 60 anos. Leve em conta que outros betas, de outras faixas de idade, podem discordar desse meu comentário.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
murillomagaroti23

avatar

Mensagens : 26
Pontos : 15612
Data de inscrição : 03/09/2014

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Qui Jan 15, 2015 6:00 pm

Eu gosto de escrever textos curtos, e sempre corro um certo risco de parecer que falta algo neles. O seu conto me deu essa impressão estranha, de que faltou algo. Essas muitas ênclises me incomodam um pouco também.

Gostei da relação que traçou entre o protagonista e a empregada, com esse lance de ele tornar o sonho realidade. De fato, não podemos falar que não tenha sido uma aventura. Pelo menos para ele, que não tinha nenhuma perspectiva com a noite natalina, foi.

Uma curiosidade: qual outro dia considerou em "A vida são dois dias e só nos resta um"?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
zizgz



Mensagens : 41
Pontos : 15605
Data de inscrição : 07/09/2014
Localização : Porto, Portugal

MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   Qui Jan 15, 2015 6:19 pm

Obrigado pelo comentário. Quanto às ênclises, eu escrevo em português de Portugal, e aqui o seu uso, penso, é mais frequente. Quanto ao outro dia... não sei, talvez falte explorar esse outro dia, no texto.
Bom ano!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Sufoco natalício   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Sufoco natalício
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Odisseia do Escritor :: Contos :: Poste aqui seus contos do mês de Dezembro/2014-
Ir para: