Odisseia do Escritor

Fórum para postarmos os nossos contos!
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)

Ir em baixo 
AutorMensagem
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qui Jul 17, 2014 6:05 am

O conflito entre as ilhotas do sul já se perpetuava por longos doze anos, arrastando-se como os corpos mutilados no campo de batalha. Não havia mais paz ou sossego entre os habitantes, e a guerra se estendera aos lares. Mulheres e crianças eram agora soldados, buscando substituir os homens que caíam por terra. Guerrear deixara de ser coisa de homem.
Inês era uma dessas mulheres que adentrara o front nos últimos cinco anos, assumira um lugar de prestígio entre os homens e era considerada pelos guerreiros de Citera como a própria Palas Atena. Entretanto, em seu coração padecia um furor que nem a Deusa entenderia. Era uma guerreira nata. De tão estimada entre os soldados, assumira o posto de general do principal front de guerra de sua ilha. E não havia batalha ganha ou perdida cujo resultado não fosse de seu conhecimento.
Inês costurava um ferimento que transpassava seu rosto, quando ao galope do cavalo aproximou-se o mensageiro da barraca, a seguido do relinchar do eqüino, o mensageiro adentrou sua barraca:
- General, trago notícias do front na costa.Estamos perdendo a batalha, há muitos deles na praia, há tantos homens que desconfio que todos os homens restantes em Cárpatos estejam aqui lutando. – informou,o mensageiro ao que Inês assentiu com a cabeça - E General... – o mensageiro hesitou, baixando a voz em seguida – O próprio Rei está no campo de batalha. Não nos resta melhor alternativa exceto uma pequena estrada três mil milhas a norte do campo de batalha, próxima ao acampamento inimigo.

A guerreira franziu o cenho com tamanha força que a ferida em seu rosto abriu-se soltando os pontos de costura crua e jorrando sangue sobre os olhos, que arregalados o absorveram, e pela primeira vez em anos Inês sentiu euforia em seu peito.

- Selem o meu cavalo!




Ilha de Cárpatos - 20 anos atrás...

O pequeno casebre fétido tinha o cheiro dos mortos muito antes do daquela serena manhã de primavera.
Os pássaros ainda cantavam quando ao entrar no quarto as crianças encontraram a mãe inteiramente nua, de bruços sobre a cama, com os longos cabelos cobrindo a face lânguida. - Mãe... – a menina de cabelos louros murmurou empurrando a porta, enquanto a barra ensangüentada do vestido deixava um pequeno rastro.
- Galata! – chamou um rapazinho ainda menor que a menina, surgindo no quarto logo depois dela e pulando na cama como um predador.
Enquanto a garota olhava a imagem desfalecida da própria mãe, o menino afastou o cabelo de seu rosto com pressa. Nos olhos do menino havia uma expectativa repleta de perversidade transfigurada num sorriso, quando encontrou o pescoço degolado da mulher.
- Não disse, Inês!? – o menino disse com o olhar em brasa. – Não importa quantos sonhos você tenha com esses deuses. Eles não existem! Nenhum deles, mesmo que se deite com todos os sacerdotes dessa ilha, ela não volta a viver. Uma vez morta, morta pra sempre! – concluiu triunfante.
Inês olhou a si mesma: o corpo mirrado, raquítico e violado pela promessa de que os deuses a atenderiam sempre. Depois olhou a mãe, morta pela sua ingenuidade. Pobre, Galata!E por fim, observara o irmão caçula, que sorridente sobre a cama, fitava o cadáver da própria mãe, inebriado pelo orgulho de estar certo. Odiosa de toda a situação, Inês quis matar o irmão, mas antes preferiu um banho, pois tinha nojo de si.
Novamente fitou o corpo de menina.
- Desgraçados! – bradou, saindo do banho ainda nua.
Enquanto atravessava a rua sob o olhar estarrecido dos magiares sequer lembrou-se de que a mãe estava morta. Pensou apenas nos homens que a tocaram, que invadiram seu corpo sagrado. “Os deuses te serão fiéis se fores fiel aos teus sacerdotes” afirmara o oráculo da cidade, e reafirmara sua mãe a cada nova manhã.
Então quando Anacleto matara Galata enquanto essa lhe sorvia as tetas na madrugada, não teve dúvida em dar aos sacerdotes tudo o que estes queriam. Eles quiseram-lhe o dinheiro e a jovem deu a eles, todo ouro, cobre e sal que havia no pequeno casebre. Quiseram ainda mais e roubando dos vizinhos, Inês dera tudo o que conseguira. Então quiseram eles seu corpo infantil, virginal e sagrado, e então ela o deu. Durante todo o dia, eles violaram seu corpo de menina incontáveis vezes. Violaram-no desperto e desfalecido. Fizeram-no sangrar e deixaram marcas que nem a guerra deixava nos homens e apenas findaram sua orgia quando não se aguentavam mais em pé. Mas crédula de que os deuses a atenderiam e devolveriam Galata à vida, Inês suportou cada nova chaga que se abria em seu corpo, e segurou nas entranhas cada urro que rugia no seu interior.
- Os deuses lhe atenderão minha boa menina! – prometeu um dos sacerdotes, dando-lhe dois tapinhas sobre os cabelos louros, antes de abandonar o corpo ensanguentado da menina sobre o altar.
Galata, no entanto, permanecia morta.
- Desgraçados – murmurou novamente, enquanto as mulheres maldiziam sua nudez. – Matarei a todos eles, e depois matarei Anacleto por matar a nossa mãe. E se existires, ó deuses... Também matarei vocês.
Prometeu a si mesma.
Inês, entretanto, não cumpriu sua promessa. Sequer deu início a sua vingança, sendo contida pelos populares e levada a julgamento como louca.Inês, com apenas doze anos, viu-se deportada para uma ilhota a oeste de Cárpatos, onde fora abandonada a própria sorte.
Em Cárpatos a condenação foi tida como clemente por parte dos julgadores, pois haviam de incumbir à morte da menina ao destino, livrando-se assim de se sujarem ainda mais com o sangue de sua inocência.




Desde que matara a mãe degolada, Anacleto, não sentia prazer senão com a morte. Era apaixonado pelas mortes violentas. O sangue jorrando das espadas, os gritos de desespero... Não havia melhor afrodisíaco em toda a Grécia.
- Não há limites para um homem quando ele tem uma coroa na cabeça e sangue nas mãos. – afirmava aos lacaios que o serviam no front.
Ninguém sabia como Anacleto, um filho de camponeses órfão subira ao trono de Cárpatos, mas, depois de muito sangue ele estava ali. Tinha uma coroa na cabeça. Tinha sangue nas mãos. E nada que o impedisse de terminar o que havia começado vinte anos atrás.
O sanguinário Rei preparava-se para voltar ao front, quando em sua barraca saída da escuridão, puxaram-no mãos femininas. Os gritos desesperados dos inimigos açoitados o fez pronto para o coito, e logo a imagem conhecida de sua fiel perseguidora investiu sobre o seu corpo, rasgando-lhe a roupa com ferocidade.
- Anacleto! – os lábios pestilentos de Tisífone sibilaram, enquanto o corpo da Fúria desceu sobre o seu – Sanguinário Rei, que assassinaste a própria mãe. Pensas tu que matarás a própria irmã? – a Fúria prosseguiu com o discurso, enquanto da escuridão duas tochas se acenderam e surgiram sobre a penumbra dois anjos esculturais.
- Olá, Anacleto! - as mulheres adentraram a barraca engatinhando, os seios fartos lembraram-no imediatamente os seios que lhe sorviam leite, quando num rompante de raiva degolara Galata. Os corpos que se esgueiravam num rebolado estonteante deixaram em prontidão seu corpo e estarrecido pelo toque e pela boca sedenta das três mulheres,Anacleto pouco notou quando uma quarta mulher adentrou-lhe a cabana.
- Quem são vocês!?!– perguntou ele às duas beldades que haviam surgido da penumbra.
- Stygere!
- Poinê!
Responderam os dois espíritos ao que se aproximaram do homem e sussurraram em seus ouvidos.
- E viemos buscar você!
Somente quando ouviu tal afirmação que Anacleto recobrou o senso de realidade e abrindo os olhos deparou-se com uma estranha que sem pestanejar desceu na sua direção uma espada. Enquanto o brilho flamejante da espada reluziu sobre a noite, Anacleto, apenas ouviu seu silvo metálico e sentiu o sangue quente lhe escorrer pela garganta. Finalmente Tisífone, que o acompanhara toda vida havia desaparecido, e restavam apenas Poinê e Stygere que lhe estendiam os braços.
- Venha conosco, menino! – murmurou Poinê, ao que tudo mais desvaneceu em bruma e escuridão.
Não houve grito de desespero. Apenas uma morte rápida, silenciosa, mas terrivelmente violenta e quando Inês desviou os olhos da cabeça do irmão que rolara sobre a grama. Deparou-se com uma terceira pessoa, uma mulher de olhos vis e hálito de enxofre que logo abriu um sorriso.
- Prazer, pequena Inês. – a mulher estendeu a mão. –Tisífone!
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qui Jul 17, 2014 6:06 am

Notas de esclarecimento.


Tisífone: divindade mitológica representa uma das três fúrias. É responsável por vingar os assassinatos, persegue os assassinos e os enlouquece.
Poinê e Stygene são duas das Queres (personificações da morte violenta).
Poinê representa o Castigo
Stygere representa o Ódio.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ademar Ribeiro

avatar

Mensagens : 181
Pontos : 15067
Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 36
Localização : SBC - SP

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qui Jul 17, 2014 7:46 am

Oi Tammy, adorei seu texto. Amo mitologias. Não encontrei erros, mas quase cometi um. Confundi sua Ilha de Cárpatos com o monte Cárpatos na Noruega. Uma busca rápida no google livrou me de tal suposição. A abordagem fantasiosa dos irmãos foi bem diferente, ambos carregam o sangue em suas espadas, mas por motivos dissemelhantes. Parabéns!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
DARA METZLI



Mensagens : 34
Pontos : 14798
Data de inscrição : 04/07/2014

Ficha do Autor
Competência:
Contos Vencedores:
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qui Jul 17, 2014 9:01 am

Adorei os nomes!
Me deliciei com a leitura!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Rogério Silva

avatar

Mensagens : 92
Pontos : 14846
Data de inscrição : 06/07/2014
Idade : 50
Localização : Rio de Janeiro

Ficha do Autor
Competência:
Contos Vencedores:
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qui Jul 17, 2014 1:18 pm

Tammy

Muito bom o texto! Foi bom não cair na mesmice como eu fiz, ou seja, incesto. Sugiro apenas verificar a pontuação. Parabéns!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://friccaocarioca.blogspot.com.br/
Patricia Souza
Admin
avatar

Mensagens : 118
Pontos : 15001
Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 32
Localização : Niterói, RJ

Ficha do Autor
Competência: Analista Ébrio
Contos Vencedores:
0/1000  (0/1000)

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qui Jul 17, 2014 3:02 pm

Tammy!

Que loucura de história, adorei! Achei a narrativa um pouquinho confusa, e vale revisar com mais carinho essas pontuações aí, mas adorei! uma boa história de vingança sempre acalenta nossos corações! <3

Parabéns! Estou ansiosa para mês que vem! Wink
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://http:\\rouxinoldeprata.blogspot.com
Estela Goldenstein

avatar

Mensagens : 48
Pontos : 14884
Data de inscrição : 27/06/2014
Idade : 36
Localização : Paranagua-PR

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sex Jul 18, 2014 11:15 am

Olá Tammy, eu gostei muito do enredo do seu conto, achei um pouco confuso a morte da mãe no começo - o irmão matou a mãe só pra provar que a fé da irmã estava errada, ou ele estava possuído por espíritos do mal? Ela se deitou com os sacerdotes antes ou depois da morte da mãe? Vc precisa tomar cuidado pra esse tipo de questões não ficarem sem resposta na conclusão do conto.

Gostei muito da linguagem utilizada!

Parabéns

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sex Jul 18, 2014 4:56 pm

Ademar Ribeiro escreveu:
Oi Tammy, adorei seu texto. Amo mitologias. Não encontrei erros, mas quase cometi um. Confundi sua Ilha de Cárpatos com o monte Cárpatos na Noruega. Uma busca rápida no google livrou me de tal suposição. A abordagem fantasiosa dos irmãos foi bem diferente, ambos carregam o sangue em suas espadas, mas por motivos dissemelhantes. Parabéns!

Obrigada!
Também sou apaixonadíssima por mitologia.
Eu busquei abordar a questão de irmãos assassinos de um ponto de vista que não fosse cúmplices assassinos, embora, irmãos que se matem não seja a ideia mais original que se podia ter.

Quanto a questão do Cárpatos... Acho que pode ser um erro com o qual eu tenha de lidar, próxima vez determinar local sem homônimos pode ser uma saída.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sex Jul 18, 2014 4:57 pm

DARA METZLI escreveu:
Adorei os nomes!
Me deliciei com a leitura!

embora não seja completamente habitual, escolhi os nomes pelo significado dessa vez.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sex Jul 18, 2014 5:00 pm

Rogério Silva escreveu:
Tammy

Muito bom o texto! Foi bom não cair na mesmice como eu fiz, ou seja, incesto. Sugiro apenas verificar a pontuação. Parabéns!

Não chamaria incesto de "mesmice" acho drástico, chamaria de abordagem mais provocativa.
Particularmente eu como leitora, gosto muito de questões polêmicas como incesto.

E sobre a pontuação, ah... a pontuação.
Bem digamos que eu tenha mais afinidade com a ortografia, do que a pontuação. Por isso, tenho um BETA apenas para cuidar dessa parte, mas infelizmente ele anda extremamente atarefado.
De toda maneira.
Prometo me empenhar mais nisso. Wink
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sex Jul 18, 2014 5:03 pm

Patricia Souza escreveu:
Tammy!

Que loucura de história, adorei! Achei a narrativa um pouquinho confusa, e vale revisar com mais carinho essas pontuações aí, mas adorei! uma boa história de vingança sempre acalenta nossos corações! <3

Parabéns! Estou ansiosa para mês que vem! Wink

Quando eu disse estou ansiosa pelo mês que vem, confesso que estava quase certa de que teríamos "Romance" no gênero.
Entretanto, aparentemente, eu terei de esperar mais uns meses.

Não que eu esteja desanimada.
Mas todos nós temos nossas predileções.


Sobre a pontuação, nota-se que não é meu forte.
Juro que me esforço, mas embora escreva tenho uns problemas de percepção de leitura.
Nada que não possa ser resolvido.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sex Jul 18, 2014 5:07 pm

Estela Goldenstein escreveu:
Olá Tammy, eu gostei muito do enredo do seu conto, achei um pouco confuso a morte da mãe no começo - o irmão matou a mãe só pra provar que a fé da irmã estava errada, ou ele estava possuído por espíritos do mal? Ela se deitou com os sacerdotes antes ou depois da morte da mãe? Vc precisa tomar cuidado pra esse tipo de questões não ficarem sem resposta na conclusão do conto.

Gostei muito da linguagem utilizada!

Parabéns


Obrigada, Estela.

Essa questão da ambiguidade foi um senhor descuido.
Uma pessoa até me apontou que havia alguns pontos a esclarecer, mas eu caí na armadilha de por ser escritora ler, reler e pensar que tudo estava claro, pois... Ah! O escritor tem a ideia na cabeça.


Mas assim como as outras falhas apontadas nada que não seja passível de correção.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Patricia Souza
Admin
avatar

Mensagens : 118
Pontos : 15001
Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 32
Localização : Niterói, RJ

Ficha do Autor
Competência: Analista Ébrio
Contos Vencedores:
0/1000  (0/1000)

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Sab Jul 19, 2014 5:15 am

Está certíssima! Sempre melhorar melhorar e melhorar! Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://http:\\rouxinoldeprata.blogspot.com
Indy J

avatar

Mensagens : 118
Pontos : 14966
Data de inscrição : 27/06/2014
Idade : 22

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Ter Jul 22, 2014 12:57 pm

Não quero ser redundane ou repetitivo, então digo:
Muito bom! Um enredo e execução bem inventivas e criativas, e sobre as falhas de narrativa e história não tenho nada a dizer que já não tenha sido dito pelos colegas.

Um forte candidato!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.subcomum.blogspot.com/
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Qua Jul 23, 2014 6:02 am

Indy J escreveu:
Não quero ser redundane ou repetitivo, então digo:
Muito bom! Um enredo e execução bem inventivas e criativas, e sobre as falhas de narrativa e história não tenho nada a dizer que já não tenha sido dito pelos colegas.

Um forte candidato!

Obrigada!
Estou contente pelos elogios e críticas que aqui encontrem, espero poder ajudar no crescimento do trabalho de todos, da mesma maneira que estão ajudando no meu.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Carol Rodriguez

avatar

Mensagens : 45
Pontos : 14909
Data de inscrição : 24/06/2014
Idade : 26

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Seg Jul 28, 2014 11:24 am

Bem, tudo que eu poderia dizer já foi dito. Gostei do seu texto especialmente por estar ligado a mitologia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Caio Biolcatti
Admin
avatar

Mensagens : 57
Pontos : 14886
Data de inscrição : 03/07/2014
Idade : 20

Ficha do Autor
Competência:
Contos Vencedores:
0/1000  (0/1000)

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Seg Jul 28, 2014 5:52 pm

Poxa vida! Seu texto está muito bom, o enredo igualmente, mas o que me conquistou mesmo foi a mitologia sutil envolvida no conto. Também acho que todas as dicas já foram dadas, mas se eu tivesse que reforçar algo, diria para você se atentar à formatação da próxima vez. Ela não interfere na qualidade do texto, mas pode torná-lo visualmente mais cativante.

_________________
Cast the dice and let it roll.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Ter Jul 29, 2014 4:50 pm

Caio Biolcatti escreveu:
Poxa vida! Seu texto está muito bom, o enredo igualmente, mas o que me conquistou mesmo foi a mitologia sutil envolvida no conto. Também acho que todas as dicas já foram dadas, mas se eu tivesse que reforçar algo, diria para você se atentar à formatação da próxima vez. Ela não interfere na qualidade do texto, mas pode torná-lo visualmente mais cativante.

Novamente, o meu muito obrigada!
Eu sou apaixonada por mitologia grega, e graças a ela encontrei minha melhor maneira de trazer a história pra fantasia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Ter Jul 29, 2014 4:51 pm

Caio Biolcatti escreveu:
Poxa vida! Seu texto está muito bom, o enredo igualmente, mas o que me conquistou mesmo foi a mitologia sutil envolvida no conto. Também acho que todas as dicas já foram dadas, mas se eu tivesse que reforçar algo, diria para você se atentar à formatação da próxima vez. Ela não interfere na qualidade do texto, mas pode torná-lo visualmente mais cativante.

Novamente, o meu muito obrigada!
Eu sou apaixonada por mitologia grega, e graças a ela encontrei minha melhor maneira de trazer a história pra fantasia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Tammy Marinho

avatar

Mensagens : 141
Pontos : 14997
Data de inscrição : 26/06/2014
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Ter Jul 29, 2014 4:52 pm

Carol Rodriguez escreveu:
Bem, tudo que eu poderia dizer já foi dito. Gostei do seu texto especialmente por estar ligado a mitologia.
thanks, Carol.
Fico muito contente que o texto quanto conteúdo tenha agradado.
Quanto aos conselhos dados pelos nossos colegas, farei o possível para segui-los no próximo mês. =)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Weslley Reis

avatar

Mensagens : 43
Pontos : 14551
Data de inscrição : 30/07/2014
Idade : 29

MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   Seg Ago 04, 2014 9:49 am

Como todos já disseram, minha única crítica real é em relação s certa confusão na narração. Mas isso pode não ser falha do texto, mas minha. A construção dos personagens poderia ter sido mais trabalhada, mas foi bem executada dentro da estrutura de lapsos de tempo que você criou. Ainda assim, talvez uma maior atenção aos personagens elimine confusões.

Parabéns.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Conto: Tisífone (Irmãos Assassinos)
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [Resultado] 43º Torneio de Fotos Cloth Myth Revolution - Irmãos de Cosmo
» Apresento-me
» [Vendedor nota 0] Não negociem com o usuário Zerooo
» [Resultado] XXX Torneio de Fotos Cloth Myth Revolution
» Adeus Nyender... que se inicie a caça as berrys!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Odisseia do Escritor :: Contos :: Poste aqui seus contos do mês de Julho/2014-
Ir para: